quinta-feira, 27 de junho de 2013

POR QUE O ÓLEO DE CANOLA NÃO É UM ALIMENTO SAUDÁVEL ?!

POR QUE O ÓLEO DE CANOLA
NÃO É UM ALIMENTO SAUDÁVEL ?!



Recentemente realizamos alguns testes para tentar reproduzir um molho de salada italiano que havíamos comprado em um restaurante. Imaginamos que precisaríamos uma gordura vegetal de sabor bastante límpido, e por isso fomos atrás de um pouco de óleo de canola, e o encontrei devidamente guardado no armário, um local escuro e de temperatura fresca. O óleo de canola parecia leve e puro, mas senti um cheiro um pouco “estranho” meio “off”.  Provamos e o gosto fez meu lábio se retorcer. Suspeitei que tivesse ficado rançoso. Decidi então comprar uma garrafa nova em folha de óleo de canola como um barômetro para determinar se estava perdendo meu dom de discernir gostos bons e coisas saborosas. Dito e feito. O óleo novo tinha odor e gosto limpos. Não pude discernir nenhum sabor particular. E a verdade surpreendente é que ambos estava rançosos.



Um híbrido desenvolvido a partir de uma planta chamada colza, o óleo de canola é na verdade um óleo refinado delicado que se torna rançoso muito rapidamente. Para quem esteve se perguntando sobre o porquê do nome , canola = “Óleo do Canadá”. E todos nós sabemos que poucos irão aturar conscientemente ingerir um óleo passado, rançoso e em processo de franca decomposição.

É por isso que a indústria do óleo vegetal utiliza um truque quase desconhecido que não é publicamente divulgada: rotineiramente faz-se uso de desodorizadores na fabricação de óleo de canola. 

Como todos os óleos vegetais modernos, o óleo de canola passa por um processo de refino cáustico, branqueamento e degomagem - processos que envolvem altas temperaturas ou químicos cuja segurança são questionáveis. E como o óleo de canola possui alto teor de ácidos graxos ômega-3, que se tornam rançosos e malcheirosos facilmente quando expostos a oxigênio e temperaturas altas, ele requer a desodorização. O processo padrão de desodorização remove uma fração significante dos ácidos graxos ômega-3, transformando-os em ácidos graxos trans.

Portanto só nos resta deduzir que o motivo que explica o gosto e odor rançoso que experimentamos é que minha compra foi feita numa fonte onde desodorizadores não foram usados. Ou isso ou o óleo já estava tão rançoso que os desodorizadores resolveram jogar a toalha!




A rancidez não é a única questão com a qual temos que lidar. A maneira como a canola é processada é o que faz o óleo passar de mocinho para vilão. Leia de novo: “... o óleo de canola passa por um processo de refinação cáustica, branqueamento e degomagem – processos que envolvem altas temperaturas ou químicos cuja segurança é questionável”.  É como se você selecionasse um maravilhoso filé, o marinasse em líquido inflamável, o queimasse até ficar torrado e depois o servisse numa bandeja decorada de rosas perfumadas!

A rancidez não significa apenas que um alimento esteja envelhecido ou podre. Nessa situação, rancidez significa um estado avançado de oxidação.

Algo oxidado no seu corpo significa um prejuízo para células e tecidos, principalmente em regiões onde há grande presença de gorduras, como o cérebro. Você sabe o que acontece quando uma maça é exposta ao ar? É a oxidação que faz com que ela fique marrom e eventualmente apodreça. Se você consumir óleos vegetais que já estão oxidados por causa do calor e da luz aplicados durante seu processamento, você estará expondo tecidos saudáveis do seu corpo a uma substância volátil e altamente prejudicial. A oxidação, ou rancidez, não é apenas o principal causador de doenças degenerativas, mas é responsável também por inflamações. O excesso de inflamação no corpo pode causar uma gama de problemas, desde uma artrite até doenças mais sérias como Parkinsons, transtorno bipolar, esquizofrenia e transtorno obsessivo-compulsivo.





E pesquisando para concluir esta matéria, encontramos este material escrito pela doutora pesquisadora Sally Fallon, PhD contando sobre a farsa da canola;

“O óleo de colza é tóxico pois contém quantias consideráveis de uma substância venenosa chamada ácido erúcico. O óleo de canola contém apenas traços desse ácido e possui um perfil único entre os ácidos graxos, rico em ácido oleico e pobre em gorduras saturadas, tornando esse óleo um grande aliado na prevenção de doenças cardíacas. Além disso, ele possui quantidades significativas de ácidos graxos omega-3, também. É isso o que a indústria alimentar fala sobre o óleo de canola.

O óleo de canola é uma substância venenosa, um óleo industrial que não pertence no corpo. Ele contém o “notório gás mostarda, um agente usado na guerra química”,  hemaglutininas e glicocidios; causa ainda doença da vaca louca, cegueira, transtornos do sistema nervosa, a coagulação de células sanguíneas e a depressão do sistema imunológico. É isso o que dizem os detratores do óleo de canola.





Vamos começar com um pouquinho de história. Estamos em meados da década de 1980 e a indústria alimentar tem um problema. Em colusão com a American Heart Association, várias agências governamentais e departamentos de nutrição em grandes universidades a indústria estavam promovendo óleos poli-insaturados como uma alternativa saudável para o coração capaz de substituir os óleos saturados “entupidores de artérias”. Infelizmente, havia ficado bastante claro que óleos poliinsaturados, particularmente óleo de milho e soja, causam diversos problemas de saúde, inclusive e especialmente câncer.

A indústria estava numa situação difícil. Ela não poderia continuar usando grandes quantidades de óleos poliunsaturados líquidos e ao mesmo tempo fazer propaganda de seus benefícios para saúde enquanto se acumulava uma montanha de evidências apontando o contrário. Tampouco poderia a indústria voltar a usar os tradicionais e saudáveis óleos saturados – manteiga, banha, óleo de palma e de coco – sem causar grande alarde. Além disso, o custo dessas gorduras é alto demais para uma indústria que opera com margens de lucros baixíssimos.

A solução foi abraçar o uso de óleos monossaturados, como o azeite de oliva. Estudos vinham mostrando que o azeite de oliva possui um efeito “melhor” que óleos poliinsaturados nos níveis de colesterol e outros parâmetro sanguíneos. Além disso, Ancel Keys e outros promotores de ideia de uma dieta especial para o coração popularizaram a ideia de que a dieta mediterrânea – rica em azeite de oliva e retratando uma vida sem preocupações em ilhas banhadas pelo mar e o sol – protegeria contra doenças cardíacas e a garantiria uma vida longa e saudável.

O óleo de colza era um óleo monoinsaturado amplamente usado em várias partes do mundo, principalmente na China, Japão e Índia. Seu teor de ácido graxos monoinsatuados é de quase 60 por cento (comparado com 70 por cento do azeite de oliva). Infelizmente, quase dois terços da composição do ácidos graxos no óleo de colza é de ácido Eurico, um ácido graxo de carbono-22 que já foi associado ao mal de Keshan, caracterizado por lesões fibróticas ao coração. No final da década de 1970, usando uma técnica de manipulação genética em que sementes eram divididas, dois cientistas canadenses chegaram a uma variedade de colza que produzia um óleo monoinsaturado com baixo de teor do ácido erúcico e alto conteúdo de ácido oleico com moléculas de carbono-18.


Esse novo óleo recebeu a denominação de óleo LEAR, sigla de low erucic acid rapeseed e sua chegada aos Estados Unidos tardou alguns anos. Em 1986, a Cargill anunciou venda sementes de óleo LEAR a disponibilizou uma planta de processamento em Riverside, estado da Dakota do Norte, porém o preço da semente despencou causando prejuízos a fazendeiros”.



_________________________________________________________________________________

Paulo de Abreu e Lima é pesquisador profissional e possui mestrado em Ciências Gastronômicas e Cultura Alimentar. Atualmente é presidente da grupo Kiel Participações; Thiago G Nasser é cientista político e possui PhD em Sociologia Alimentar. Atualmente é diretor de pesquisa do ESTILOGOURMAND Este material é baseado no texto original de Kristen M., publicado no blog Food Renegade no início de 2013

_________________________________________________________________________________




5 comentários:

ARTE FREDDO disse...

faz todo o sentido...
Tenho uma Boutique de Sorvetes em Porto Alegre e um dos itens que fazia eram uns bombons de sorvetes cobertos de chocolate no qual ia um pouco de gordura hidrogenada , como não uso esse produto nos sorvetes achei que não combinava com o meu produto tentei substituir por óleo de canola e fico Horrivel ...

Anônimo disse...

Quanta bobagem! Pesquise mais. Existem inúmeros artigos científicos atuais e sérios, que comprovam a ação benéfica da Canola em Humanos.

Pedro Menchik disse...

Não há nenhum problema com o óleo de canola. Entenda: http://alimentandoadiscussao.com/2014/05/07/verdade-sobre-canola/

kzado48 disse...

Rodrigo e Pedro, fiquem à vontade, usem e abusem do Canola.
É problema seus.

Julio Cesar Vianna Dutra disse...

Senhores autores, com a licença da palavra, mas acho que o artigo não relata a realidade. Fica claro e evidente a tentativa de melgor oferecer uma qualidade de vida aos leitores. No entanto, posso afirmar não somente com a experiência em títulos de graduação e pós graduação, como também a vivência de anos em indústria que devemos tratar melhor o assunto. Para não me estender muito, farei um breve comentário sobre o relatado.
Bom, realmente o óleo de sigla CanOLA (Canadian Oil Low Acid), traduzindo: óleo canadense de baixa acidez é originário de combinações genéticas, hoje conhecida como alimento transgênico, a fim de diminuir o teor de ácido erúcico presente na colza. Esse ácido realmente apresenta toxicidade aos seres humanos, porém com a técnica empregada na colza, esse deixou de ser um problema.
Com relação aos processos industriais, tenho buscado explicações para a repudia dos senhores.
Todo óleo bruto passa por processos de refino, branqueamento e neutralização, estas operações unitárias visam o beneficiamento do óleo bruto que não estão em condições de consumo. Após essas etapas temos a última operação unitária, que de acordo com o artigo é algo tenebroso, mas que na verdade é uma simples torre de destilação por bandejas ou pratos conforme o princípio das curvas de Rosa e Rose, acredito que os colegas lembrem. Essa torre recole por vácuo compostos voláteis, degradantes ou não, do óleo aquecido. Estes compostos são ácidos orgânicos responsáveis por odor e sabor, pigmentos e umidade residual, buscando um produto final com excelência de qualidade, isto é: o mais neutro possível. Realmente o óleo aquecido a temperaturas muito elevadas pode gerar ácidos graxos trans-isômeros, mas é algo mais comum em outras etapas que nesta.
Agradeço o espaço e manifesto disposição a debates voltados ao assunto.
Att,
Júlio Dutra
Engenheiro de Alimentos
MSc Engenharia Química

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails